Maus-tratos a idosos

O que é maltratar um idoso?

De acordo com a definição proposta pelo Conselho da Europa, os maus-tratos  a idosos são “caracterizados por qualquer acto de negligência ou omissão cometido por uma pessoa, que possa afectar a vida, a integridade física ou psíquica, a liberdade da pessoa ou comprometa seriamente o desenvolvimento da própria personalidade e / ou da segurança financeira.”

Tanto no seio familiar como nas instituições (casas de repouso ou lares de terceira idade), o abuso a um idoso abrange múltiplas formas de sofrimento e maus-tratos aos olhos da lei. Estende-se a todos os tipos de violência e negligência.

Diferentes formas de maus-tratos a idosos podem ser violentas:

  • Física: golpes, feridas, restrições físicas…
  • Moral e psicológica: insultos, violação de privacidade, chantagem, privação de afecto ou visitas…
  • Medicamentosa: neurolépticos excessivos (medicamentos inibidores das funções psicomotoras), falta de tratamento adequado
  • Financeira: roubo, extorsão, herança forçada
  • Negligência activa (confinamento…) ou negligência passiva (falta de alimentação…)
  • Violações dos direitos civis: ataques aos direitos e liberdades fundamentais das pessoas

Quais são os factores de risco para os maus-tratos a um idoso?

O mau trato a um idoso é, de alguma forma, favorecido pela sua vulnerabilidade. Eles estão frequentemente isolados, frágeis e sofrem de múltiplas limitações. Os cuidadores, familiares ou profissionais, têm por vezes dificuldade em lidar com essas fraquezas e a situação em si.

Os factores de risco podem estar relacionados com o perfil da potencial vítima em diferentes situações:

  • O idoso é muito dependente ou sofre de uma mobilidade reduzida e não pode realizar os actos de vida diária sozinho. Distúrbios, como a incontinência, criam uma sobrecarga de trabalho e podem levar ao mau trato do idoso, nomeadamente, a rejeição, isolamento, ou até mesmo abandono.
  • O idoso tem o mesmo cuidador há muito tempo.
  • Falta de controlo sobre os seus activos financeiros ou do seu dinheiro corrente.
  • Um idoso com distúrbios de carácter. senilidade, demências como a doença de Alzheimer, podem levar a reacções hostis e maus-tratos.
  • Uma pessoa idosa que mora sozinha, que está socialmente isolada.

Existem factores de risco relacionados com o perfil do cuidador:

  • O cuidador não está bem preparado para cuidar de uma pessoa doente.
  • Mora com a pessoa idosa e cuida dela há muito tempo.
  • A pessoa não aceita o encargo de cuidador e não recebe nenhuma compensação.
  • Fragilidade psicológica ou sobrecarga emocional e moral (“burn-out”) são factores que promovem o abuso sobre o idoso quando a tolerância do cuidador é excedida.
  • Problemas sociais ou financeiros do cuidador: estes problemas aumentam o risco de abuso financeiro e mau trato do idoso.
  • Isolamento: quando o cuidador assume este papel sozinho, e pode não ter a capacidade para lidar com esta tarefa exigente e, mais facilmente, se deixar levar por comportamentos abusivos, chegando perto do mau trato do idoso.

Em ambientes institucionais, também alguns factores podem ser considerados um terreno fértil para os maus-tratos a idosos:

  • Funcionários com falta de formação.
  • Excesso de trabalho, exaustão ou falta de motivação pessoal da equipa.
  • A existência de disfunções dentro da equipa (ausência de diálogo, divergências…).
  • Problemas de gestão financeira e de recursos humanos dentro da instituição.

Como reconhecer os sinais de maus-tratos a idosos?

É difícil detectar maus-tratos a idosos. É de facto multiforme e alguns actos podem ser muito insidiosos. A presença cumulativa dos seguintes factores de risco deve suscitar o interesse às famílias, embora não impliquem necessariamente maus-tratos ao idoso.

Os seguintes sinais podem indicar maus-tratos aos idosos:

  • O idoso parece desconfiado, assustado.
  • Mostra sinais de depressão: aparência negligenciada, falta de apetite, falta de interesse, insónia…
  • O idoso parece excessivamente calmo, apático.
  • Cai repetidamente.
  • Tem sinais de feridas e hematomas que não consegue explicar.

O comportamento do cuidador também pode indicar um possível mau trato da pessoa idosa:

  • O cuidador deprecia a pessoa idosa sob seus cuidados.
  • Reclama do comportamento do idoso.
  • Repreende-o ou isola-o.