Insónias e as consequências para o coração dos idosos

Actualmente, estamos bem conscientes dos efeitos nocivos das insónias na saúde. Uma noite de menos de seis horas de sono, aumenta o risco de doenças cardiovasculares nos idosos, confirmam vários estudos realizados nos Estados Unidos. Aprenda a melhorar o seu sono para evitar os riscos relacionados com as insónias.

Como estão relacionados o sono e o coração dos idosos?

Os distúrbios do sono são um problema frequente entre os idosos. Podem causar depressão e risco de acidente, mas os efeitos prejudiciais da falta de sono vão mais além. Dormir pouco pode afetar a saúde cardiovascular, como mostraram vários estudos de universidades americanas.

Um destes estudos, publicado em Abril do ano passado, na revista Experimental Psychology, diz que uma noite de sono de menos de 7 horas está associada ao aumento da morbidade e mortalidade, por sua vez associada a um baixo nível de micro-RNAs no organismo. Estas moléculas desempenham um papel importante na regulação da saúde vascular e são um indicador da saúde do coração de um indivíduo.

No estudo concluiu-se que circulavam menos moléculas no corpo de pessoas que dormiam menos de 7 horas por noite do que no outro grupo, em que dormiam uma noite normal (mais de 7 horas). Paralelamente, outros estudos já mostraram que estas alterações nos níveis de microRNAs estão associadas a disfunções vasculares e, portanto, a um risco aumentado de desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Quais são os riscos de uma noite de menos de 6 horas para os idosos?

Outro estudo realizado numa escola de medicina da Pensilvânia, nos Estados Unidos da América, constatou que o risco de morte precoce por doença cardiovascular ou AVC aumenta em pessoas já doentes, que dormem menos de 6 horas por noite. Uma vez que, muitos idosos sofrem de diferentes patologias, poderão, portanto, fazer parte deste grupo de risco.

Publicado em Outubro de 2019, no Journal of American Heart Association, este estudo acompanhou 1.654 pessoas durante 20 anos, com idades compreendidas entre os 20 e 74 anos, no início da pesquisa. As causas de morte dos participantes que ocorreram durante este período foram estudadas e correlacionadas com o tempo de sono. Os resultados em indivíduos que dormem menos de 6 horas por noite falam por si:

  • pessoas com hipertensão ou diabetes tipo 2 têm duas vezes mais probabilidade de morrer prematuramente por doença cardíaca ou AVC
  • pessoas com doença cardiovascular têm três vezes mais probabilidade de morrer de cancro

Por outro lado, o estudo não observou nenhum risco acrescido em pessoas que dormem bem (mais de 6 horas).

Como evitar as insónias na velhice?

Posto isto, uma boa noite de sono é ainda mais importante na velhice, uma vez que os idosos já têm a sua quota parte de problemas médicos.

Para dormir bem, tente seguir estas dicas:

  • pratique actividade física regularmente, mas não nas horas que antecedem a hora de se deitar
  • evite usar dispositivos electrónicos pelo menos duas horas antes de ir para a cama
  • durma num quarto silencioso e escuro, a uma temperatura agradável
  • levante-se todos os dias à mesma hora

Se estes hábitos não ajudarem a melhorar a qualidade do seu sono, consulte o seu médico para encontrar uma possível causa e o respectivo tratamento.