Factos importantes sobre o isolamento dos idosos

O sentimento de solidão e isolamento pode ter consequências negativas para a saúde do idoso. Entender as causas e factores de risco do isolamento dos idosos é importante para poder evitá-lo.
Descubra o porquê de tantos idosos estarem isolados e como reduzir a solidão dos idosos ao seu redor.

A morte do cônjuge, a principal causa de isolamento dos idosos

A perda do cônjuge, uma situação cada vez mais provável que ocorra quando a pessoa envelhece, aumenta o risco de isolamento emocional e social entre os idosos. Além da solidão causada pelo luto, a perda do parceiro também leva a uma diminuição nas interacções sociais, muitas vezes facilitada pela vida em casal.

O afastamento dos filhos, por vezes resultando num verdadeiro choque, também, poderá causar uma sensação de isolamento.

Por outro lado, a perda de autonomia impede que o idoso se desloque como gostaria e participe em actividades no exterior. Um em cada quatro idosos com mobilidade reduzida dizem que se sentem sós, de acordo com um estudo divulgado pela Universidade do Michigan, nos Estados Unidos.

A depressão, ligada ao luto e à recusa ao envelhecimento, no sentido em que que nem sempre o idoso quer participar em actividades reservadas para ele também tem como consequência o isolamento.

Isolamento aumenta a mortalidade sénior

O risco de mortalidade prematura pode aumentar em 14% em idosos isolados, de acordo com um estudo da Universidade de Chicago, liderado pelo professor de psicologia John Cacioppo.

O isolamento tem consequências nocivas na saúde dos idosos, nomeadamente, a solidão acelera o declínio físico e cognitivo.

Idosos que “sofrem” de solidão são mais afetados pelos seguintes problemas:

  • distúrbios do sono
  • hipertensão
  • aumento no nível de cortisol (hormona do stress)
  • depressão
  • declínio da sensação de bem-estar
  • sistema imunológico comprometido
  • declínio nas funções cognitivas

Todos os factores relacionados com o isolamento podem aumentar o risco de morte prematura.

Isolamento aumenta o risco de abuso/maltrato

O isolamento social dos idosos e dos seus cuidadores aumenta o risco de maltratos, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Quando o idoso e os seus cuidadores não têm apoio social, o risco de abuso ou negligência aumenta. É importante manter laços sociais com os idosos ao nosso redor para evitar o isolamento, que pode levar a situações perniciosas.

Voluntariado para reduzir o isolamento dos idosos

As pessoas mais velhas que participam em actividades de voluntariado podem partilhar a sua experiência e conhecimento com os outros, evitando, assim, sentirem-se inúteis e recaírem sobre si mesmas.
Por outro lado, os voluntários que intervêm em lares ou casas de repouso podem reduzir a solidão e o isolamento dos idosos institucionalizados.

Aprenda na velhice a lutar contra a solidão

Participar em cursos de formação adaptados (informática, saúde, bem-estar, etc.) também pode ser benéfico para evitar o isolamento dos idosos. A pessoa idosa poderá fazer novos conhecimentos.

As universidades seniores funcionam em horário laboral, durante a semana. Seguem o calendário escolar, isto é, abrem em Setembro/Outubro, fecham no Natal, Carnaval e Páscoa e encerram em Junho/Julho. As  disciplinas/actividades variam entre as várias universidades seniores, no entanto as mais populares são a informática, a saúde, história, inglês e cidadania. A idade mínima para frequentar é de 50 anos e o valor médio nacional das mensalidades são de 12€.

Aprender informática e a navegar na internet, por exemplo, também pode fortalecer as relações intergeracionais. Permitindo que os idosos usem estas ferramentas de comunicação com seus parentes estarão a fortalecer o vínculo com a família.

Actividade física reduz o isolamento dos idosos

A actividade física em grupo é outra maneira de reduzir a solidão e o isolamento dos mais idosos. Além disso, o desporto ajuda a preservar suas faculdades e a reduzir a perda de autonomia, o que é um factor de risco .