Dicas para melhor comunicar com os idosos

“É inútil ter os sentimentos mais belos se não conseguimos transmiti-los”, diz o escritor austríaco Stefan Zweig. Hoje, os meios de comunicação mudaram e as diferenças entre as gerações, às vezes, complicam a troca de ideias. Para melhor comunicar com os idosos que nos rodeiam, é importante adaptarmo-nos às suas especificidades, sem cair em estereótipos.

Adaptar-se às necessidades dos idosos, sem infantilizar a comunicação

Diferenças na mentalidade e estilos de vida entre as gerações, bem como distúrbios físicos ou cognitivos frequentemente associados ao envelhecimento, às vezes complicam as interacções familiares ou entre cuidadores profissionais e pacientes idosos.

Para melhor comunicar com os idosos, é necessário adaptarmo-nos e relembrar o quão benéficas são estas interacções para o seu bem-estar.

Para comunicar de forma eficaz, devemos adaptar a mensagem e a forma como a transmitimos ao nosso interlocutor. Não falamos com uma criança da mesma forma que o fazemos com um colega de trabalho. Quando se trata de comunicar com pessoas mais velhas, muitos de nós tendem, inconscientemente, a tratá-los como crianças ou incapazes.

É importante não se comunicar com os idosos de forma interpretável, como condescendente, mesmo que nossa intenção seja facilitar o diálogo usando palavras mais simples ou um tom diferente.

Em geral, os adultos mais velhos mantêm seu vocabulário e continuam a melhorá-lo através da leitura ou assistindo a documentários de televisão. As pessoas idosas com boa saúde não têm mais dificuldade em entender palavras complicadas do que em outras faixas etárias. Portanto, é desnecessário simplificar a conversa ao máximo.

Para se comunicar com os idosos, não é essencial falar sistematicamente em voz alta, como se todos os idosos fossem surdos.

Considerar as especificidades para comunicar com idosos

Não é uma questão de cair no extremo oposto e de se comunicar com os idosos, ignorando suas dificuldades. O envelhecimento traz muitas mudanças e é importante saber quais são as dificuldades ou problemas do seu interlocutor.

Pessoas idosas com deficiência auditiva

Na verdade requer falar mais alto, mas sem gritar. É importante ser claro: algumas pessoas falam rápido demais, outras tendem a murmurar quando estão desconfortáveis.

Ambientes ruidosos

Recomenda-se evitar este tipo de ambientes. O ruído de fundo afeta as pessoas mais velhas, mais ainda do que adultos jovens. Mantenha o contacto visual com a pessoa com quem está a falar: quando alguém ouve menos, tem tendência a ler nos lábios.

Comunicar com pessoas com Alzheimer

A comunicação com pessoas idosas com distúrbios cognitivos é, geralmente, mais complicada, mas existem estratégias. Veja em: 10 dicas para se comunicar com alguém com Alzheimer. Mais uma vez, é importante não infantilizar a conversa, os idosos que sofrem de uma doença neurológica merecem o mesmo respeito que os outros.

Comunicar sem dar ordens

Use o pronome “eu” com mais frequência do que “tu / você” para comunicar com os idosos, sem dar ordens: uma das principais necessidades de todo ser humano, e os idosos mais ainda, é sentir-se respeitado. Além disso, a maioria das pessoas não gosta de receber ordens.

Quando usamos a segunda pessoa do singular / plural com demasiada frequência para dizer a uma pessoa mais velha o que “deve fazer”, condescendemos: “você deve fazer mais exercício físico”, “você deve tomar os seus remédios” … Para evitar a sensação de que está a assumir o controle da sua vida, use outros pronomes:” eu posso ajudá-lo a fazer os seus exercícios hoje”,” estes medicamentos são importantes para o seu tratamento “… Formulado desta forma, estará a manifestar o seu interesse pela pessoa.

Comunicar com os idosos que nos rodeiam exige sensibilidade e respeito. Muitos idosos não têm problemas particulares em manter um diálogo. Outros podem sofrer de certos distúrbios que implicarão uma adaptação da comunicação, mas nunca tratá-los como incapazes.

A comunicação com idosos é, muitas vezes, muito gratificante, porque eles têm uma experiência de vida mais rica. Vamos aproveitar essa oportunidade, respeitando as possíveis diferenças de mentalidade e opiniões.