Asma nos idosos

Se por um lado, a asma é mais comum em crianças e adolescentes, por outro lado ela não desaparece necessariamente com a idade. E porque a asma nos idosos tem um efeito negativo na sua qualidade de vida deixamos algumas dicas que poderão ajudar.

Tem dificuldade em respirar, será asma?

As dificuldades respiratórias não são uma consequência “normal” do envelhecimento, mesmo com todas as alterações que o corpo sofre com a velhice. Se estiver mais sem fôlego do que antes, não ignore os sintomas…

Falta de ar e dispneia podem ser um sinal de que:

  • sofre de asma, ainda que não diagnosticada: muitas pessoas com asma nunca procuram o médico apesar das suas dificuldades. Acham que os seus sintomas (falta de ar e tosse) são um fenômeno normal. No entanto, a asma pode ocorrer na velhice, geralmente após uma infecção respiratória mal controlada.
  • a sua asma está a piorar: tenha cuidado! Quando a asma “envelhece”, os sintomas podem mudar e os medicamentos agem de maneira diferente. Não espere para reagir.
  • tem outro distúrbio respiratório: as causas das dificuldades respiratórias são variadas e podem ser sinal de diferentes distúrbios:
  • ataque de pânico
  • pneumonia
  • doença cardiovascular
  • doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)

Não hesite em consultar o seu médico ou pneumologista se tiver dispneia. Ele provavelmente prescreverá explorações funcionais respiratórias. Exames que permitem verificar como inspira e expira (se consegue encher os seus pulmões de ar e esvaziá-los).

Como lidar com a asma na velhice?

Os sintomas da asma nos idosos são essencialmente os mesmos que nos adolescentes e adultos. No entanto, na velhice, a dispneia pode ser contínua e a intensidade dos sintomas às vezes muda.

Se sempre teve asma, à medida que envelhece, pode perceber:

  • uma exacerbação ou redução dos sintomas
  • redução da eficácia dos medicamentos
  • maiores efeitos adversos do tratamento medicamentoso
  • novos “gatilhos” para seus ataques de asma

Se for esse o caso, observe as alterações para as apresentar ao seu médico.

A asma nos idosos pode ser exacerbada por vários factores, incluindo doenças associadas, como diabetes ou doenças cardiovasculares. Muitas vezes, será necessário mudar o seu estilo de vida e adaptar os medicamentos que toma, para evitar interacções medicamentosas.

Em pessoas idosas, os medicamentos prescritos para tratar a asma também podem ter efeitos colaterais mais graves, como aumento da frequência cardíaca e tremores associados ao uso do inalador.

O papel do médico será pesar os prós e os contras, antes de propor o melhor tratamento. Não hesite em pedir ajuda para aprender a usar o inalador.

Quando as funções cognitivas de um paciente estão alteradas, o uso do inalador pode ser difícil. Uma boa demonstração ajuda o idoso a tratar adequadamente a sua asma.

Como prevenir a asma nos idosos ou o seu agravamento?

Para evitar desenvolver asma na velhice ou o agravamento dos sintomas de uma doença já presente, pode agir de várias maneiras:

manter-se activo – a actividade física ajuda a manter uma boa saúde cardiovascular e a proteger os pulmões

mante um peso “saudável” – o excesso de peso aumenta os sintomas da asma nos idosos

parar de fumar – deixar de fumar pode reduzir os efeitos da asma e melhorar a eficácia dos medicamentos

bem estar psicológico- stress, ansiedade e depressão pioram a asma, pois são um gatilho para ataques de asma.