4 mitos e realidades sobre a nutrição dos idosos

A desnutrição da pessoa idosa é um flagelo: afeta um em cada dois pacientes no hospital e um idoso em cada dez em casa. Acima de tudo, para combater este fenómeno perigoso, para os nossos familiares idosos, é importante compreender melhor suas necessidades alimentares e as suas dificuldades.

Saiba mais sobre a realidade por trás dos mitos sobre a nutrição dos idosos. Descubra as nossas dicas para uma dieta melhor.

1: Perda de apetite é um fenómeno natural entre os idosos

Os idosos têm necessidades nutricionais, em termos de calorias, mais baixas do que os adultos mais jovens quer porque o seu metabolismo mudou quer porque eles gastam menos energia. No entanto, uma perda significativa de apetite não é normal e pode ser o prenúncio de um problema de saúde mais grave.

Outros factores, como a alteração da percepção do paladar ou problemas bucais, podem levar as pessoas mais velhas a comer menos. Estes problemas não se devem a uma perda de apetite, mas a uma dificuldade que deve ser tratada antes de desencadear problemas nutricionais.

2: Comer sozinho não afeta a nutrição dos idosos

Viver sozinho e preparar as próprias refeições pode promover a desnutrição nos idosos. De facto, distúrbios motores ou cognitivos tornam mais difícil preparar refeições equilibradas. Comer sozinho todos os dias também pode aumentar o isolamento, stress e ansiedade da pessoa idosa.

Os centros de dia aparecem, desta forma, como uma alternativa. Permitem, ao idoso, beneficiar de refeições equilibradas e também participar em actividades lúdicas e enriquecer os seus laços sociais.

Do mesmo modo, o apoio domiciliário também se apresenta como alternativa. As refeições poderão ser entregues na residência ou, para idosos com mais restrições e exigências, confeccionadas na própria residência. Temos parceiros disponíveis para qualquer esclarecimento necessário.

3: O metabolismo das pessoas mais velhas é mais lento, portanto elas precisam de menos nutrientes

Se os idosos podem consumir menos calorias do que os adultos mais jovens, por causa de um estilo de vida mais sedentário, em contrapartida precisam da mesma quantidade de nutrientes, ou mesmo mais. A verdade é que, com o envelhecimento, o corpo tem mais dificuldade em assimilar nutrientes.

Para uma boa nutrição, os idosos precisam aumentar a ingestão de alimentos ricos em cálcio e vitaminas D e B12. A ingestão diária deve ser superior a 1500 kcal / dia para permitir que quantidades suficientes de vitaminas e minerais sejam assimiladas.

4: Seniores magros podem comer as quantidades de açúcar, gordura e sal e desejarem

Mesmo as pessoas com o “peso ideal” não podem/devem comer tudo o que quiserem, e isto independentemente da idade. Maus hábitos alimentares, mesmo quando não engordam, podem aumentar o risco de doenças cardiovasculares e diabetes.

A alimentação dos seniores deve ser equilibrada. Afim de atender às diferentes necessidades nutricionais da velhice, será necessário comer todas as categorias de alimentos.

A ingestão de proteínas (carne, ovos, peixe, produtos lácteos) ajuda a preservar a massa muscular e a prevenir a perda de autonomia.

Frutas e legumes fornecem uma boa fonte de vitaminas e hidratação. A actividade física também será necessária para evitar a perda muscular e maximizar os benefícios de uma boa nutrição.

Consulte as quantidades de nutrientes e vitaminas a ingerir.